Imagem

Minh’alma

A primeira vez que gosto da profundidade em que alcança minh’alma.

Ser diferente é algo que precisa bancar consigo. Não há saída, ou aceita-te como és ou serás para sempre infeliz. Escolhi a primeira opção, mesmo que me mantenha em contato com o mais terrível em mim.
A profundidade em que alcança minh’alma, hoje, começa a me fazer feliz.
Afinal nascemos todos sozinhos e nús, somente vestidos de sobrevivência.
A luta pela vida é sangrenta mas temos todos conosco a similaridade humana de nossas diferenças.
Imagem

Perfluxo

Hoje, verdadeiramente me deixo levar.

Pelas ruas, pelos acontecimentos
Pelas atitudes, sem julgamento.

Como que entregue a um fluxo de vida

Que já se encontra a minha espera.

Hoje, verdadeiramente me deixo estar

A mercê dos fatos, dos erros e acertos
Sem espalhafato
Sem buscar um sentido para a busca

Solto-me

Caio
Levanto-me

E, sem mais, me encontro

Nesse por nada que é a vida
Então, assim, e somente assim

Torno-me dona de mim.

Imagem

Corpo da Alma.

Hoje, estava eu em diálogo sobre a necessidade feroz que sinto de fazer arte.

Algumas sentenças foram ditas:

Preciso da minha arte para me libertar da pressão da beleza sem alma. Estou envelhecendo e sinto que sem a arte eu enlouqueceria.

Artista não pode ficar na metade do caminho.

O corpo é uma bobagem. O corpo é só uma ferramenta, não pode ser uma prisão.

A aparência deve refletir a essência, a estrada. Só teme a finitude do corpo e seus sinais quem perde a conexão com a estrada da alma.

Então me deparei com essa reflexão de Alberto Caeiro:

Nos deuses a alma tem o mesmo tamanho que o corpo
E o mesmo espaço que o corpo
E é a mesma coisa que o corpo.
Por isso se diz que os deuses nunca morrem.
Por isso os deuses não têm corpo e alma
Mas só corpo e são perfeitos.
O corpo é que lhes é alma
E têm a consciência na própria carne divina…Mas o corpo perfeito é o corpo mais corpo que pode haver,
E o resto são os sonhos dos homens,
A miopia do que vê pouco.

Imagem

Coragem que nos move adiante

Eu queria andar nua ao vento

Queria buscar tua face em cada olhar

Eu queria andar descalça sem pensar

Queria encontrar

Tocar

A abertura do vento em meus cabelos

O novo não se sabe

Eu queria não ser mais o que já se foi

Quero olhar para o nada

E depois

Gozar, a tua paz

Alcançar além do mar

Horizonte, de fronte

Coragem que nos move

Adiante

Imagem

Deus é Feminino

Da série Readymade – Título Tinta Branca

Por causa de uma série de coisas pelas quais estou passando, ( escreverei sobre elas mais tarde, quando tiver atravessado a correnteza e tenha um tempo de suspiro e elevação para construir com palavras a vivência ), descobri suavemente e dolorosamente que Deus é feminino.

Ele ou melhor, Ela não pode se mostrar em toda a sua natureza, justamente pela necessidade de ser indecifrável a olhos mundanos.

Os olhos que a enxergam precisam travar uma batalha árdua em território carnal para se reencontrarem com Deus em sua poção divina. E essa poção é feminina no sentido mais amplo, da criação, da capacidade de adaptação, da descomunal força, do paradoxo que encerra em si, até mesmo da batalha a ser travada.

E talvez essa descoberta seja o despertar para o sentido de vida e morte, de construção e desconstrução, de finitude e renascimento no qual travamos nossas braçadas. No fundo, no fundo, gostaria de falar sobre isso através da arte.