Imagem

Pessoas famosas também são gente…

…como a gente.

Desenvolvo aqui um pensamento isento de moral (julgamento). Até por que, participo dos dois lados da questão que quero levantar. Não me debruço em absoluto sobre esta questão por interesses próprios mas por causa de meus filhos e consequentemente pelas crianças e jovens em geral.
Hoje em dia parece que ser famoso não é mais consequência daquilo que se faz, se tornou um objetivo em si. Nunca desejei a fama como um fim, eu queria ser reconhecida como atriz para ter a oportunidade de continuar trabalhando, sempre.
Quando a fama passa a ser um objetivo, o que se faz é o que menos importa, importa apenas conquistá-la, a qualquer preço. Mas se a fama é passageira, o que fica para depois?

©carolinakasting

Valorizar o trabalho e a qualidade do trabalho de um profissional é honrar o passado e pensar no seu futuro. Se você diz para as novas gerações que elas não precisam ser boas no que fazem, não precisam estudar, investir, progredir, aprender para conquistar um lugar na sociedade, se você diz à elas que o que importa é ser famoso e popular, você corre um grande risco de perder o principal para o futuro, a ética do saber.

©carolinakasting

Será que não estamos passando o recado de que, se você não precisa saber nada do seu “saber” para ser alguém na vida, para quê então você precisa saber?

Vivemos um momento de ode ao “zé-ninguém”, me entenda bem, não me refiro ao “zé-ninguém” do povo, aquele que luta por um lugar de sobrevivência, mas àquele que ocupa um lugar de reconhecimento e sucesso sem que tenha feito nada de relevante para isso. Assim, talvez, estejamos perdendo um dos valores mais bonitos da humanidade, o valor pelo trabalho.

E o trabalho que se fez relevante no passado, o trabalho dos profissionais que conquistaram o nosso presente fica no esquecimento. Talvez seja em função disso esses tempos tão sombrios.
A corrida por um reconhecimento imediato e gratuito, sem “o saber” é tão voraz que as pessoas estão deixando de lado “o viver” para priorizar a exposição do privado, em troca de uma promessa de fama e reconhecimento. Estão substituindo o afeto pela ideia de reconhecimento como se o reconhecimento pudesse ser gratuito, sem o esforço e a necessidade do tempo, do trabalho e do próprio viver.

Pergunto-me se as novas gerações estão percebendo a morte certa de um futuro promissor. Reconheço um movimento contrário em alguns grupos de jovens mas a maioria me parece vítima de um popularidade vazia. Os mais inteligentes e sensíveis sofrem muito com isso, porque se apercebem de que este objetivo de vida não lhes trará alegria e se angustiam, se achando inadequados ou insuficientes. No fundo sabem que o que tem valor na vida são as conquistas pelo mérito e que ganhar seguidores ou likes de maneira aleatória, só faz a vida passar sem nenhum valor real.
Em contrapartida, alguns profissionais que alçaram a fama como consequência de um trabalho realmente relevante, passam a ser objeto de desejo (consumo) e perdem o posto de gente, no sentido da desapropriação do afeto, como se não tivessem vontades, dores, amores, ilusões, inseguranças e principalmente como se não pudessem errar. Passam da condição de humanos à objetos modelo, e ganham um futuro perigoso pois quem precisa manter a fama fica a um passo do esquecimento do que lhe colocou lá, o trabalho, o ofício, palavra tão esquecida nesses tempos midiáticos. E isso para o artista é a morte certa, colocar o ego a frente da arte, alguns jamais se erguem novamente à dignidade do seu próprio eu.

©carolinakasting

O Outro, Um Ser Desprovido de Direitos 

wp-image-136861603

Tenho vinte e cinco anos de carreira, quarenta e dois anos de idade, me formei em dança e teatro, aprendi com meus pais que a força e a determinação de correr atrás de um sonho aliadas a ética de não passar por cima de ninguém, era o que me levaria ao sucesso.

Todos que me conhecem sabem que posso ser tudo, menos preconceituosa. Sabem que me preocupo mais com o outro do que comigo mesma e que principalmente, não considero o ódio uma moeda de troca.

Considero, sim, que o amor é a única coisa que poderia salvar o mundo, mas as vezes me parece que para cada abraço vai existir mil palavras ofensivas e que para cada gesto de amor, vai sempre existir trilhões de bofetadas. Raramente penso assim, só quando perco as esperanças no ser humano mas na maior parte dos meus dias eu acredito no amor. Acredito em ser uma pessoa amorosa com todos que me cercam, com o garçom que serve a minha mesa no restaurante, com o motorista que buzina atrás de mim, com meu filho, com o passeador de cães, com o porteiro do meu prédio, com a minha filha, com meu amigo que morro de saudades e nunca consigo encontrar, com meu marido, com meus pais, com a minha ajudante que cuida da minha casa e dos meus filhos e que por isso já virou da família, com o seu filho que já considero meu, e assim vai… eternamente amor.

Não consigo conceber não ser assim, mas me preocupo em ser assim nos meus atos e não apenas no meu discurso, para que eu não cometa a injustiça que considero inaceitável, para que, pelo avesso eu não tenha exatamente o mesmo preconceito que estou acusando no outro. E assim mergulhe num mar de hipocrisia.

Quando eu comecei minha carreira na televisão, não existia internet, muito menos redes sociais e isso não impediu que eu fosse ameaçada de morte porque minha personagem era a antagonista da trama das nove na Globo. Os tempos vão mudando e a forma das pessoas colocarem seu ódio para fora também.

O que me preocupa é que o outro passou a ser uma pessoa desprovida de direitos, ele não tem mais o direito de achar o que acha, mesmo que seja uma opinião baseada em princípios reais, não tem o direito de expressar e de ser quem ele é.

Sempre fui e sempre serei defensora da liberdade de expressão, do direito de ir e vir, da liberdade de sermos quem somos com nossas diferenças. Uma sociedade de pessoas que pensam da mesma forma seria uma sociedade manipulada para tal e portanto, seríamos fantoches.

O ser humano tem que ter o direito ao básico e ao exercício intelectual para existir como indivíduo.

Acredito que, diferente do que a maioria parece acreditar, a internet não é um lugar sem lei, não se pode fazer qualquer coisa na internet, não se pode agredir aos outros. Leis básicas de convivência e respeito com o próximo deveriam ser respeitadas.

Será que esse ódio todo não vem da frustração de não poder estar no lugar do outro?

O fato é que o meu direito termina onde começa o direito do outro.

E respeito é bom e eu gosto.