Imagem

O FUTURO ESTÁ DE LUTO

Photo by Bob Wolfenson

Não sei, mas as coisas me parecem doer muito mais hoje do que em qualquer outro lugar. Hoje não temos lugar. Não habitamos nada. Não somos de lugar nenhum. Habitamos a rede vazia, com sua virtualidade real. As notícias chegam pelo dispositivo celular, sem licença para entrar, ou pior, sem irmos buscar.

A morte da Young, não, quem morre tão jovem, com tanto pra falar.

Tenho vontade de largar da web, sair caminhando pelo gramado da vida, pisar na terra, retirar espinhos. A dor dos espinhos reais me parece mais amena, atenta ao processo da vida, mas não, a morte sempre arranca a vida de nós. Sinto uma dor no peito, um nó na garganta, não adianta fugir. É preciso ter força, é preciso compreender, mesmo que seja impossível. As vidas são arrancadas de nós e as notícias nos invadem por essa ficção real que nós mesmos inventamos, tão devastadora e rápida, que nem mesmo a privacidade de nossas casas existe mais. Em paz.

A morte da Young, dos animais, dos meninos pretos da favela, dos nossos ancestrais. A notícia que não nos vai calar, jamais, é que são todas reais.


Como manter a sanidade nesse mundo louco?
Luta!
A luta que travamos por dentro, contra nossos fantasmas perversos
É a mesma externa, contra a bestialização da Humanidade.
Quem luta, permanece são.

Rio de Janeiro, agosto de 2019

©CarolinaKasting