O Outro, Um Ser Desprovido de Direitos 

wp-image-136861603

Tenho vinte e cinco anos de carreira, quarenta e dois anos de idade, me formei em dança e teatro, aprendi com meus pais que a força e a determinação de correr atrás de um sonho aliadas a ética de não passar por cima de ninguém, era o que me levaria ao sucesso.

Todos que me conhecem sabem que posso ser tudo, menos preconceituosa. Sabem que me preocupo mais com o outro do que comigo mesma e que principalmente, não considero o ódio uma moeda de troca.

Considero, sim, que o amor é a única coisa que poderia salvar o mundo, mas as vezes me parece que para cada abraço vai existir mil palavras ofensivas e que para cada gesto de amor, vai sempre existir trilhões de bofetadas. Raramente penso assim, só quando perco as esperanças no ser humano mas na maior parte dos meus dias eu acredito no amor. Acredito em ser uma pessoa amorosa com todos que me cercam, com o garçom que serve a minha mesa no restaurante, com o motorista que buzina atrás de mim, com meu filho, com o passeador de cães, com o porteiro do meu prédio, com a minha filha, com meu amigo que morro de saudades e nunca consigo encontrar, com meu marido, com meus pais, com a minha ajudante que cuida da minha casa e dos meus filhos e que por isso já virou da família, com o seu filho que já considero meu, e assim vai… eternamente amor.

Não consigo conceber não ser assim, mas me preocupo em ser assim nos meus atos e não apenas no meu discurso, para que eu não cometa a injustiça que considero inaceitável, para que, pelo avesso eu não tenha exatamente o mesmo preconceito que estou acusando no outro. E assim mergulhe num mar de hipocrisia.

Quando eu comecei minha carreira na televisão, não existia internet, muito menos redes sociais e isso não impediu que eu fosse ameaçada de morte porque minha personagem era a antagonista da trama das nove na Globo. Os tempos vão mudando e a forma das pessoas colocarem seu ódio para fora também.

O que me preocupa é que o outro passou a ser uma pessoa desprovida de direitos, ele não tem mais o direito de achar o que acha, mesmo que seja uma opinião baseada em princípios reais, não tem o direito de expressar e de ser quem ele é.

Sempre fui e sempre serei defensora da liberdade de expressão, do direito de ir e vir, da liberdade de sermos quem somos com nossas diferenças. Uma sociedade de pessoas que pensam da mesma forma seria uma sociedade manipulada para tal e portanto, seríamos fantoches.

O ser humano tem que ter o direito ao básico e ao exercício intelectual para existir como indivíduo.

Acredito que, diferente do que a maioria parece acreditar, a internet não é um lugar sem lei, não se pode fazer qualquer coisa na internet, não se pode agredir aos outros. Leis básicas de convivência e respeito com o próximo deveriam ser respeitadas.

Será que esse ódio todo não vem da frustração de não poder estar no lugar do outro?

O fato é que o meu direito termina onde começa o direito do outro.

E respeito é bom e eu gosto.

 

59 comentários sobre “O Outro, Um Ser Desprovido de Direitos 

  1. Parabéns pela coragem de expressar sua opinião, como você mesma falou ao final do seu belíssimo texto “E respeito é bom e eu gosto” 👏🏻👏🏻👏🏻

    Curtir

  2. Carolina…fiquei de cara qdo tu pediu desculpas…não devia..tu era a jurada e estava ali pra dar tua opinião…se ela não gostou, problema dela…q melhore . Tá se achando ela heim?

    Curtir

  3. Três coisas: 1- pensei que o jurado atribuísse a nota que acha que o candidato merece e não aquela que o programa e/ou o público querem que seja dada. 2- E desde quando nove não é uma boa nota? 3- Então que mudem as regras e digam que não se pode dar menos que 9,5.

    Curtido por 1 pessoa

      1. você é superior a tudo isso e vamos assistir você em zilhares de trabalhos que tem feito sabendo agora o quanto você é autêntica . Parabenizo-a.

        Curtido por 1 pessoa

  4. Penso que quem foi inconveniente nesta historia foi a pessoa avaliada que não teve humildade em receber a nota da avaliadora e demonstrando-se indignada com uma nota 9, como se fosse perfeita a ponto de não ter mais o que aprender, com a indignação demonstrada parecia que havia recebido uma nota 5 cinco.

    Curtir

  5. perece- me que nove na Danças dos Famosos é mesmo uma nota ruim, pois a avaliada, após os inúmeros elogios emitidos pela avaliadora, considerou que a nota foi divergente dos elogios, e segundo a mesma foi o que a indignou. Eu pessoalmente fico muito triste com tudo isso, pois vejo que o que houve foi um conflito de comunicação e encima disso polemizou-se, criou-se um ambiente hostil em cima do fato e os comentários, ainda que não emitidos para esse fim, acabaram por alimentar e acirrar o clima negativo em cima do assunto e entre essas duas belas pessoas e profissionais, colegas de profissão.
    As pessoas deduzem, fazem suposições enumeras e tomam isso com verdade absoluta e jugam sem conhecer… Vivemos dias hostis, de desamor, onde ao invés de apaziguar queremos mais é o “Circo pegar fogo” e que não haja sobreviventes.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s